De repente, um aviso parece tirar seu chão: você será desligado da empresa na qual vem trabalhando nos últimos tempos. 

É praticamente impossível não ficar chateado e preocupado com o que acontecerá em seguida. Afinal, a perda do emprego implica na diminuição do poder econômico, que tem impacto em todas as outras áreas da vida. 

Atualmente, o Brasil tem mais de 12 milhões de desempregados e, se ver em meio a essa realidade não é fácil.

Para mudar esse cenário, é preciso ir em busca da recolocação profissional, processo que pode ser mais ou menos difícil, a depender da área de atuação, expertises e nível de preparação do candidato. 

Portanto, é preciso buscar formas de se capacitar constantemente, mesmo na situação de desemprego. Assim, você com certeza irá se destacar e conquistar a vaga desejada muito mais rapidamente do que seus concorrentes. 

Confira o passo a passo para uma boa recolocação profissional e veja dicas sobre como proceder em cada um deles.

Passo 1: planejamento e reflexão

Passado o primeiro momento de frustração e incertezas, é preciso esfriar a cabeça e começar a pensar em quais caminhos seguir para voltar ao mercado de trabalho. 

O primeiro passo é refletir sobre sua trajetória profissional e desejos para o futuro, pois esse será o norte de toda a caminhada. 

Busque conhecer seu perfil profissional com algumas perguntas simples: você prefere a parte operacional ou de gestão? Está contente com sua área de atuação ou prefere partir para algo novo? O que é indispensável para você em um ambiente de trabalho?

Desse modo, você poderá fazer escolhas mais assertivas na hora de buscar por uma vaga, focando no que realmente interessa e se dedicando a essas oportunidades, sem perder tempo e energia com outras que não são relevantes. 

Passo 2: preparação para a voltar à ativa

Definidos os objetivos no passo 1, é hora de se preparar para a recolocação em si, buscando formas de destacar de seus concorrentes. 

Para começar, faça uma boa revisão de seu currículo, atualizando dados como habilidades, competências, interesses, último cargo, entre outros que possam estar defasados com o tempo. 

Lembre-se que um bom currículo é claro e conciso e separe apenas as informações mais importantes sobre a sua vida profissional, aquelas que farão com que o recrutador reconheça todo seu potencial e queira te ter na equipe.

Também com base no planejamento, busque vagas que estejam de acordo com o que foi definido como prioridade e dê o seu melhor nos processos seletivos.

Prepare-se para entrevistas, saiba responder com firmeza perguntas sobre seus pontos fortes, objetivos profissionais, motivo do desligamento da empresa anterior, etc.

Se preocupe em mostrar o que tem feito para resolver pontos de melhoria, como falta de uma pós-graduação, segundo idioma ou outros déficits que poderiam te colocar em desvantagem em relação aos outros candidatos.

Lembre-se de ser sempre verdadeiro e transparente, pois mentiras e omissões podem acabar com todo seu esforço e ocasionar em eliminação definitiva do processo seletivo. 

Passo 3: priorize o networking

Sabe aquele gestor com quem você teve uma boa relação no passado e que agora está em outra empresa? Ou aquele colega de faculdade que atua na área em que você deseja estar? Hora de estabelecer contato e mostrar que está aberto a novas oportunidades!

O networking é uma ferramenta incrível para quem deseja recolocação rápida no mercado de trabalho, então cultivar boas relações no âmbito profissional é indispensável. 

A abordagem deve ser sutil e, preferencialmente, feita por email ou redes sociais com foco na vida profissional, como o LinkedIn, por exemplo.

Se apresente de forma cordial e fale rapidamente sobre seus objetivos. Envie seu currículo para apreciação e agradeça pela atenção disponibilizada, independentemente dos resultados. 

O LinkedIn também é um bom caminho para mostrar suas experiências profissionais, então mantenha-o atualizado, com posts que mostrem suas realizações e trabalhos desenvolvidos. 

Evite a soberba, mas não tenha medo de se vender, pois é essa habilidade que será responsável por colocar você em uma posição de destaque na hora da seleção. 

Passo 4: seja flexível

É claro que todos gostaríamos de voltar ao mercado de trabalho em um bom cargo, com um ótimo salário e em uma empresa reconhecida, mas nem sempre isso é possível imediatamente. 

Por isso, vale a pena ser flexível e considerar oportunidades temporárias e em outras posições que não sejam a desempenhada na empresa anterior, principalmente se o novo local de trabalho oferecer oportunidades de crescimento.

Isso não significa, de maneira alguma, abrir mão de seus objetivos estabelecidos no passo número 1, mas sim enxergar oportunidades de iniciar de algum lugar, que valem mais do que ficar parado esperando a vaga dos sonhos. 

Passo 5: invista em você!

Por último, mas não menos importante, é preciso falar sobre a importância de investir em você, em sua própria trajetória e desenvolvimento profissional. 

Aproveite o tempo livre para fazer novos cursos não apenas na área de atuação, mas em macro habilidades como inteligência emocional, organização, produtividade, metodologias de gestão, entre outros que façam sentido para sua carreira. 

Existem diversas palestras, serviços de consultoria, coaching e outplacement que, além de ajudarem nesse momento de desemprego, farão com que você desenvolva expertises que serão muito úteis no dia a dia profissional. 

Essas especializações também são responsáveis por aumentar sua rede de contatos, o que amplia a possibilidade de encontrar oportunidades interessantes. 

Com todas essas dicas, é hora de se colocar em movimento. Boa sorte na busca e sucesso na jornada!